Livro da Semana: Tripulação de Esqueletos (Skeleton Crew, 1985)

Título Original: Skeleton Crew
Título Traduzido: Tripulação de Esqueletos
Ano de Publicação: 1985
Data de Publicação nos EUA: 21/06/1985
Personagens: Otto Schenck, Spike Milligan, Stella Flanders…
Adaptação: Contos da Escuridão (1984) – 1ª Temporada/Ep. 08: The Word Processor of the Gods; Além da Imaginação (1986) – 1ª Temporada/Ep.  18: Gramma; Creepshow II: Arrepios do Medo (1987); O Nevoeiro (2007); The Reaper’s Image (2013)
Derivados: Forças do Mal (2006)
Disponível no Brasil pelas Editoras: Francisco Alves (1987) – Objetiva (2002) – Planeta DeAgostini (2004) – Ponto de Leitura (2012)

“Tripulação de Esqueletos” (Skeleton Crew) foi o segundo livro de contos publicado por Stephen King, em 1985, sete anos depois de “Night Shift”. Foi originalmente publicado em capa dura pela editora Putman e reimpresso diversas vezes no decorrer dos anos seguintes. Uma edição limitada foi publicada em 1996 com ilustrações feitas pelo artista J.K. Potter (segue abaixo). No Brasil foi publicado pela primeira vez em 1987 pela extinta Editora Francisco Alves. No original são, ao todo, 22 trabalhos, incluindo uma novela e dois poemas, que representam a segunda década de trabalho de King, considerada por muitos uma época de amadurecimento do escritor, quando ele teria produzido muitos dos seus trabalhos mais importantes.

O Nevoeiro

1. O Nevoeiro (The Mist, 1980): David e seu filho estão presos em um supermercado com dezenas de outras pessoas enquanto lá fora o mundo parece simplesmente desaparecer em meio a um denso e repentino nevoeiro, de onde passam a surgir bizarras criaturas que colocam em risco a vida de todos aqueles que se aventuram a sair do supermercado.

Publicado no livro Dark Forces com o título de The Mist. King reescreveu substancialmente este longo conto para sua aparição em sua coletânea. Ele afirmou que não gostava muito dessa história, mas depois de reescrevê-la, achou-a melhor. Embora as personagens e o enredo sejam os mesmos, diversos fatos foram alterados, por isso ambas devem ser consideradas como duas versões de um mesmo conto.

Aqui há Tigres

2. Aqui há Tygres (Here There Be Tygers, 1968): Um garoto pede para ir ao banheiro. Chegando lá ele descobre nada mais nada menos do que um TIGRE dentro do banheiro masculino.

Publicado inicialmente na edição de 1968 da revista Ubris, com o título de Here There be Tygers, passou por pequenas revisões que não alteram o conteúdo do texto; as características físicas de uma personagem foram alteradas e um parágrafo foi adicionado.

O Macaco

3. O Macaco (The Monkey, 1980): O que era para ser um simples macaquinho acaba se revelando em algo sobrenatural e assutador. Sempre que o macaquinho de brinquedo toca seus pratinhos, alguém morre. Anos depois, quando o jovem Hal pensava ter se livrado do maldito brinquedo, ele retorna, como que puxado por uma força maior.

Publicado em 1980 na revista Gallery com o título de The Monkey, King praticamente produziu um novo conto com a mesma ideia. As duas versões chegam a ser bem diferentes, em estilo e conteúdo.

Caim Rebelado

4. Caim Rebelado (Caim Rose Up, 1968): Ao final dos exames da escola o jovem Curt entra em seu apartamento e muito calmamente pega seu rifle 352 e passa a atirar contra todos que estão do lado de fora da sua janela.

Publicado na edição de 1968 da revista Ubris com o título de Cain Rose Up. Considerando que King era um estudante, quando escreveu esse conto, é compreensível que ele tenha decidido por reescrever completamente esse conto. O texto original é praticamente irreconhecível, se comparado com a versão publicada em Tripulação de Esqueletos. Além da mudança de nomes de personagens, King alterou todo o enredo da história.

O Atalho da Sra. Todd

5. O Atalho da Sra. Todd (Mrs. Todd’s Shortcut, 1984): A Senhorita Todd, acostumava a procurar atalhos para todo lugar que vai, acaba encontrando alguns que não constam no mapa…

Publicado inicialmente no livro Redbook em 1984 com o título de Mrs. Todd’s Shortcut, o conto passou por revisões insignificantes para a sua segunda aparição.

A Excursão

6. A Excursão (The Jaunt, 1981): Em um futuro distante as pessoas estão acostumadas a viajar por teletransporte. Entretanto, quando a única regra é quebrada (você só pode viajar dormindo) algumas coisas bizarras começam a acontecer.

Publicado em 1981 na revista The Twilight Zone Magazine, sofreu algumas alterações. King explica sobre essas alterações na seção de Notas do livro Tripulação de Esqueletos.

7. A Festa de Casamento (The Wedding Gig, 1980): Um famoso grupo de músicos se aventura a tocar na festa de casamento da irmã de um mafioso, quando bandidos invadem o lugar e a chacina começa eles se vêem perdidos.

Publicado como The Wedding Gig em 1981, na revista Ellery Queen’s Mystery Magazine. O conto foi substancialmente revisado para sua aparição posterior.

Paranóide

8. Paranóide (Paranoid: A Chant, 1985): Um Canto: Poema escrito exclusivamente para este livro.

A Balsa

9. A Balsa (The Raft, 1982): Um grupo de amigos da universidade partem em uma viagem para Cascade Lake. Chegando no lago eles nadam até uma balsa enquanto se divertem, mas aos poucos percebem que não são os únicos no lago, quando uma misteriosa mancha passa a nadar na direção deles, comendo tudo o que está pela frente.

Publicado na revista Gallery com o título de The Raft, em 1982. O conto passou por pequenas alterações, a correção de três erros de ortografia e a inclusão do termo “Você ama?”.

O Processador de Palavras dos Deuses

10.O Processador de Palavras dos Deuses (Word Processor of the Gods, 1983): Richard descobre um processador de palavras deixado por seu sobrinho Jonathan, onde ele pode inserir ou deletar coisas em sua vida, podendo assim dar um novo rumo aos acontecimentos trágicos ocorridos nela.

Publicado na Playboy de 1983, com o título de The Word Processor. O conto foi substancialmente revisado, onde até mesmo o título foi modificado para Word Processor of the Gods.

O Homem Que Não Apertava Mãos

11. O Homem Que Não Apertava Mãos (The Man Who Would Not Shake Hands, 1981): Um dos associados do misterioso clube 249 conta uma história sobre um jogador de pôquer que não apertava a mão de ninguém e que era assolado por uma misteriosa maldição.

Originalmente publicado em 1981, no livro Shadows IV. O conto foi basicamente reescrito, e grande maioria das modificações serviram para atualizar a história, conectando-a com a história do ‘O Clube’, elemento essencial no conto O Método Respiratório (publicado em Quatro Estações).

Um Mundo de Praia

12. Um Mundo de Praia (Beachworld, 1984): Astronautas pousam no deserto de um estranho e desconhecido planeta. Entre a morte e a loucura eles se vêem obrigados a lutar pela sobrevivência, quando a nave de resgate chega e se nega a deixar o planeta, duvidando do seu perigo.

Publicado na revista Weird Tales de 1984 com o título de Beachworld, sofreu pouquíssimas revisões para seu relançamento.

A Imagem do Ceifador

13. A Imagem do Ceifador (The Reaper’s Image, 1969): Em um museu há um estranho espelho que, diz a lenda, aqueles que consegue enxergar nele uma sombra a sua esquerda, desaparecem.

Segunda venda profissional de King para a revista Startling Mystery Stories de 1969. Poucas revisões foram feitas para a republicação.

Nona

14. Nona (Nona, 1978): Uma história sobre um prisioneiro que conhece uma estranha mulher chamada Nona…

Esse conto foi originalmente publicado em 1978 na antologia Shadows e foi massivamente revisado para o Tripulação de Esqueletos. Na segunda versão, o conto passa a ser uma história de Castle Rock enquanto na versão original e passava em Blainesville, Maine, uma cidade idêntica a Castle Rock. Uma alteração mais interessante é o Ace Carmody (que morre no original) torna-se o famoso Ace Merril (que não morre na segunda versão.

15. Para Owen (For Owen, 1985): Poema escrito especialmente para o livro, em uma homenagem de King para seu filho Owen.

Tipo de Sobrevivente

16. Tipo de Sobrevivente (Survivor Type, 1982): Um cirurgião de Nova Iorque, sobrevivente de um naufrágio, a deriva no meio do mar, será capaz de tudo para sobreviver. TUDO MESMO!

Publicado em 1982 numa antologia chamada Terrors com o título de Survivor Type, passou por alterações mínimas.

17. O Caminhão do Tio Otto (Uncle Otto’s Truck, 1983): Uma breve história sobre um homem e seu caminhão mal assombrado, narrado por seu neto.

Uma história de Castle Rock, apareceu inicialmente na revista Yankee em 1983. Foi substancialmente reescrito para sua segunda aparição. Um erro crasso foi corregido, na versão original, uma parte da terra foi vendida por $23 o acre. Foram comprados 4000 acres, o total seria de $92 mil, e não os $10 mil mencionados na primeira versão.

Entregas Matinais

18. Entregas Matinais (Leiteiro N°1) (Morning Deliveries [Milkman #1], 1985): Um entregador de leite deixa alguns “presentinhos” especiais para seus clientes, na medida em que vai deixando os leites nas casas das pessoas. Conto anteriormente não publicado.

19. O Carrão: Uma História de Lavanderia (Leiteiro N°2) (Big Wheels: A Tale of The Laundry Game [Milkman #2], 1980): Dois amigos viajam bêbados, quando encontram uma oficina mecânica de um amigo de um deles. Ao sairem de lá estão mais bêbados do que quando entraram e a confusão se arma.

Apareceu pela primeira vez na antologia New Terrors 2 em 1980. King praticamente reescreveu a história para sua aparição em Tripulação de Esqueletos, sendo as duas versões serem duas totalmente diferentes.

Vovó

20. Vovó (Gramma, 1984): A vovô, uma senhora de 83 anos, vive em casa com sua filha e seus dois netos. Quando um deles quebra a perna e é levado para o hospital ela acaba ficando sozinha com um deles, que ao tomar conta dela acaba descobrindo que a senhora de idade guarda um segredo incrível.

Publicado na revista Weirdbook em 1984, foi substancialmente revisado para sua segunda publicação. King eliminou um erro envolvendo a data de casamento do casal.

A Balada do Projétil Flexível

21. A Balada do Projétil Flexível (The Ballad of the Flexible Bullet, 1984): Um escritor está a beira da loucura quando descobre que pequenos e bizarros seres habitam sua máquina de escrever.

Publicado na The Magazine of Fantasy and Science Fiction em 1984. King corrigiu um único erro para a sua republicação. Na versão original, Henry Wilson cortou o cabo do rádio do seu carro, mas páginas adiante ainda coneguia ouvir o rádio durante sua viagem.

O Braço do Mar

22. O Braço do Mar (The Reach, 1981): A história do conto gira em torno de uma mulher de 95 anos, Stella Flanders, que passou a vida toda em Goat Island, uma ilhota no Maine, e que decide sair pela primeira vez de lá quando o percurso entre a ilha e o continente encontra-se congelado pela primeira vez em 50 anos. Durante o percurso ela encontra os fantasmas das pessoas que viveram anteriormente naquela ilha.

Publicado originalmente na revista Yankee em 1981, sofreu uma alteração um tanto peculiar. Esse conto foi um dos poucos a ter o título alterado, originalmente ele foi publicado como Do the Dead Sing?. O conto ainda passou por revisões significativas, sendo uma variação completamente diferente daquela publicada em Tripulação de Esqueletos.

A versão limitada de Tripulação de Esqueletos, além dos 22 contos já mencionados, ainda possuí um conto extra, chamado The Revelations of ‘Becka Paulson. Esse conto, ainda inédito em português, será tema de uma postagem futura.

Post originalmente publicado no Baú do Stephen King

Edilton Nunes

Edilton Nunes

Graduado em Letras pela UEG (Universidade Estadual de Goiás), viciado em literatura de terror/suspense, amante incondicional de séries e Hq´s e fã de carteirinha do mestre Steve há pelo menos 20 anos.

More Posts - Website - Twitter

You can skip to the end and leave a response. Pinging is currently not allowed.

6 Responses to “Livro da Semana: Tripulação de Esqueletos (Skeleton Crew, 1985)”

  1. Mariana Diaz disse:

    Já tive o prazer de ler esse livro, mas depois de ver essas gravuras confesso q meu deu uma vontade doida de ler de novo! kkkkk ^^

  2. Leon Nunes disse:

    O conto “O Nevoeiro” é bastante lovecraftiano. Se aqueles tentáculos não são de Cthulhu, então eu não sei.
    O conto “Caim Rebelado” é bacana.
    Enfim, teria de reler este livro novamente. Há contos que simplesmente não lembro se estavam naquele livro que li – não lembro a edição, acho que da Objetiva mesmo. Não lembro de “A Balada do Projeto Flexível”…
    Terei de reler de qualquer forma.
    Gosto desta faceta de King. Ele se esmera na correção – e às vezes alteração de contos. E engraçado é que ele encontra tempo para tudo isso.

    Abraços sinceros e respeitosos
    Leon Nunes

    P.S.: tenham a bondade de entrar em meu blog. Atualizei com um excerto de conto meu. Lá tem o link (A Irmandade) donde ele foi publicado.
    http://leonnunesescritor.blogspot.com.br/2012/08/nao-atenda-o-telefone-conto-meu.html

  3. Leon Nunes disse:

    P.P.S.:

    O site da Lilja’s está bacana.
    Tem atualizado lá também a narração de King de Dr. Sleep (acho que é corriqueiro a apresentanção da obra pelo autor diante de uma platéia em faculdade ou outra instituição). Confiram o vídeo:

    http://liljas-library.com/article.php?id=2545

    Abraços sinceros
    Leon Nunes

  4. […] A lista de adaptação da obra de Stephen King não para de aumentar. A Universal Pictures e a Blumhouse Prods juntaram-se para Mercy, um horror fantástico baseado no conto “Vovó“, publicado em Tripulação de Esqueletos. […]

  5. MONALISA disse:

    Parabén pela postagem. Quem é o autor das imagens, pois são ótimas. Estão de parabéns… Pessoalmente esse é o melhor livro de contos do SK, quase compete com Sombras da Noite.

  6. Márcia disse:

    Bom dia.Onde acho o conto Sleep Walker,ou Sonâmbulos?Obrigada.

Deixe seu comentário