A Torre Negra: Nasce o Pistoleiro #02

Título Original: The Dark Tower: The Gunslinger Born #02
Título Traduzido: A Torre Negra: Nasce o Pistoleiro #02
Publicação: 07/03/2007
Publicação no Brasil: 01/03/2008
Série: A Torre Negra
Arco: Nasce o Pistoleiro
Edição: 02 de 07
Número de Páginas: Aproximadamente 30
Personagens: Roland Deschain, Cuthbert Allgood, Alain Johns, Steven Deschain
Editora: Marvel Comics
Equipe Criativa: Peter David e Robin Furth (Roteiro) / Jae Lee e Richard Isanove (Arte)
Arte de capa: Jae Lee

Nesta edição começamos conhecendo Steven Deschain, o pai de Roland, quando ele invade o quarto do filho (que acabara de perder a virgindade com uma prostituta), e discute com ele. Roland, mesmo com apenas 14 anos, fica irado e desafia o pai, mostrando sua fúria pela conivência e ingenuidade do pai quanto à traição de Gabrielle (ou pelo menos é isso que ele acha).

Aqui já temos uma idéia do que foi a conturbada adolescência do pistoleiro: uma mãe adúltera e um pai severo. Apesar de tudo, percebemos no diálogo entre os dois, que Steven só quer o melhor para o filho, e o único meio que ele encontra de demonstrar isso, sem parecer fraco, é justamente sendo durão.

Nas páginas seguintes finalmente conhecemos o vilão supremo de toda a saga, o Rei Rubro. Marten se comunica com o vilão aracnídeo através das esferas do Arco-Íris de Merlim, para contar as novidades em Gilead. Desnecessário dizer que o Rei fica totalmente p*** por Roland ter sido bem-sucedido em seu teste, em vez de ter sido banido. O vilão mostra-se preocupado, pois segundo ele uma certa profecia que diz que Roland os destruirá está se cumprindo lentamente. É interessante (e assustador) ver Le Casse Roi Russe desenhado. Um lugar precário, mas que ao mesmo tempo exala uma terrível e nojenta majestade. O Rei Rubro vai se alimentando de suas vítimas sem a maior cerimônia, enquanto o céu, sempre rosa, apenas espia. Destaque nesta seção, também, para as esferas de Merlim, e do maléfico plano do Rei de mandar a esfera rósea para um “certo” destinatário, que saberemos quem é no volume seguinte (O Longo Caminho para Casa).

Então, Roland e seu ka-tet (Alain e Cuthbert) são mandados para Hambry, a capital do Baronato dos Mejis, por seu pai, para investigar a Associação dos Cavaleiros, e descobrir se ela foi corrompida pelo Homem Bom, John Farson; para tal tarefa, eles deverão usar nomes falsos e seguir sempre de olhos abertos. Em seguida conhecemos o amor da vida de Roland, Susan Delgado, prometida ao prefeito Thorin. Entretanto, logicamente, a jovem não quer tal destino para si mesma e ao fugir da bruxa Rhea, é quando ela se encontrará pela primeira vez com Roland (que se apresenta como Wil Dearborn). Percebe-se que nessa parte há uma certa poesia nos quadrinhos, para dar ênfase ao amor à primeira vista dos dois, e de como Roland nunca mais amará alguém tanto quanto Susan; um amor que, como (quase) tudo na vida de Roland, estava destinado à tragédia.

Particularmente eu achei que o nível desta HQ elevou-se alguns “centímetros” em relação à anterior, mas não tanto assim, o que não quer dizer que o resultado é ruim. Pelo contrário, eu achei a primeira HQ muito bem executada, e a seqüência continua sustentando bem a história, o que de fato ocorre no restante do arco.

Nos extras temos alguns textos interessantes que relatam sobre os ancestrais de Roland, a crianção do Arco-Íris de Merlim, o nascimento do Rei Rubro, e uma carta aberta do autor Stephen King (a famosa carta aberta em que ele sugere escrever (o agora real) 11/22/63.

Resenha por: Boni

Edilton Nunes

Edilton Nunes

Graduado em Letras pela UEG (Universidade Estadual de Goiás), viciado em literatura de terror/suspense, amante incondicional de séries e Hq´s e fã de carteirinha do mestre Steve há pelo menos 20 anos.

More Posts - Website - Twitter

You can skip to the end and leave a response. Pinging is currently not allowed.

2 Responses to “A Torre Negra: Nasce o Pistoleiro #02”

  1. @cyberlivingdead disse:

    Caramba, a história de Roland e Susan foi tão curta e tão intensa…deixa meio que uma sensação de vazio e angústia, mas é extremamente cativante!

  2. Franz Lima disse:

    Edilton, estou com uma dúvida sobre a série. É possível ler os quadrinhos de forma independente dos livros? Já tenho duas edições encadernadas, mas ainda não possuo os sete livros. Que faço???

Deixe seu comentário