Sermões de Pastor tem como referência obras de Stephen King.

stephen_king

Quando perguntaram para o romancista de terror, Stephen King, o porquê dele escreveu histórias de horror tão assustadoras e ás vezes tão brutais, ele respondeu que faz isso porque ele se inspirava em um coração de um menino que fica em um frasco em cima de sua mesa.

Todavia o Reverendo Paul FM Zahl conseguiu enxergar além do terror, ele aprendeu algo novo sobre o autor: “Há muita fé por trás de seu medo.”  Zahl diz que algumas das afirmações mais comoventes da fé cristã pode ser encontrada nas histórias arrepiantes de King. O mestre do horror vem pregando sermões para milhões de leitores por anos, a maioria dos fãs só não sabem disto.

“As pessoas tendem a pensar que Stephen King é anti-religioso porque ele é um escritor de horror, mas estão completamente equivocados”, diz Zahl, um padre Episcopal aposentado que tem escrito sobre a sensibilidade religiosa de King para revista Christianity Today. “Vários de seus livros são parábolas da graça em ação.”

“Quer ler uma meditação poderosa no amor sacrificial de Jesus? Confira como King liga a morte do gigantesco preso John Coffey no corredor da morte à crucificação de Jesus em “À Espera de um Milagre”. Em “Tempestade do Século” King relata o encontro sinistro de Jesus com o demônio chamado “Legion” no Evangelho de Marcos no capítulo quinto. E o romance épico apocalíptico de King , ” A Dança da Morte”, lê-se como uma releitura contemporânea do livro do Apocalipse com Êxodo, Zahl diz.

As palavras sobre fé  podem soar ridículo. King, que acaba de lançar seu mais recente romance, “The Wind Through the Keyhole”, escreveu pelo menos 50 novelas de terror, como “Carrie” e “Angústia”.

No entanto, há um corpo real da literatura dedicada a sensibilidade religiosa de King. Vários pastores e autores dizem que King apresenta uma compreensão sofisticada da teologia em seus livros e suas histórias são recheadas com referências bíblicas e histórias tiradas diretamente da Bíblia.”Se Deus recorreu a processos legais, Stephen King teria de enfrentar uma acusação de plágio”, diz JM Rawbone, um romancista de terror Inglês, que escreveu um ensaio sobre os temas cristãos em “The Stand”.

King  já  falou sobre sua fé antes. Ele se descreve como um cristão em seu site e em outros lugares, disse que foi criado como um “hard-nosed” Metodista que o ensinou a acreditar no Anticristo. Algumas de suas influências literárias são autores cristãos. Em uma entrevista, King disse que foi moldado por CS Lewis, autor de “As Crônicas de Nárnia”, e JRR Tolkien, autor de “O Senhor dos Anéis”. Tanto Lewis e Tolkien eram cristãos devotos que mergulhou sua ficção com temas cristãos. “Eu sempre tentei contrastar essa luz branca brilhante de bondade real ou piedade contra o mal”, disse ele em uma entrevista de 1988. “Eu não sou um pregador, e eu odeio a religião organizada. Eu acho que é uma das raízes do mal real que está no mundo. “

A melhor maneira, porém, para entender a fé de King não é através de suas palavras, mas através de suas histórias. Há pelo menos três temas bíblicos que são executados por eles. Cada escritor de horror parece escrever uma história de vampiros eventualmente, e King não é exceção. A Hora do Vampiro é um dos romances mais populares de King. Ele descreve a tentativa de um vampiro para colonizar um moderno-dia da cidade de Nova Inglaterra.

Histórias de vampiros tradicionais estão carregados de simbolismo cristão, mas é inserido um outro tema bíblico de King em a “Hora do Vampiro”, que reaparece em muitos de seus livros. Ele vem em uma cena que mostra um confronto entre um padre e vampiro. Padre Callahan tenta proteger um adolescente brandindo uma cruz. O vampiro se atreve a dizer ao sacerdote para lançar a cruz no chão e encará-lo somente na fé. Padre Callahan hesita, pois sua fé está muito diluído pelo álcool e ceticismo. O vampiro arranca a cruz das mãos do sacerdote, enquanto o rapaz foge e torna-se um dos inimigos mais formidáveis ​​do vampiro.

Quando o Rev. David Squyres leu esta passagem afirma:”, uma das palavras mais populares de Jesus passou diante de nós: “… A menos que você mudar e se tornar como criancinhas, não entrareis no reino dos céus. “No universo moral de King, as crianças se relacionam com Deus melhor do que os adultos, diz Squyres. “O vampiro humilha o padre porque o padre não tem fé real, mas o garoto tem fé real”, diz Squyres, pastor da Igreja Batista Palms perto de Palm Springs, Califórnia. “O sacerdote representa os fariseus. Eles acreditam em relíquias. Mas as crianças e os adolescentes, tem uma fé simples. Eles não depositam sua confiança nas instituições. Eles confiam no Senhor”, disse Squyres, que escreveu sobre a sensibilidade cristã de King  nosite, “talkstephenking.”

Muitos dos romances mais populares de King estão cheios de jovens heroínas impulsionados pela fé. É um reflexo de uma famosa passagem do Livro de Isaías no Antigo Testamento: “E uma criança os guiará. “Em “O Talismã” e “A Coisa”, King apresenta heróis adolescentes que arriscam suas vidas lutando contra o mal, de acordo com Marylaine Block, que escreveu sobre sensibilidade religiosa do rei em um ensaio chamado “Something Wicked This Way Comes”.

“Em ambos os romances, os adultos são incapazes de entender o mal que está prestes a envolver e destruir o seu mundo. Eles vêem os sinais, mas optam por não entendê-los. Somente as crianças sabem o que está acontecendo, e sabem que tem que salvar aqueles com que se preocupam “, escreveu ela. Deus pode estar no romance mais explícito de King, ou seja, em “Desespero”, que apresenta um outro herói adolescente movida sempre pela fé. O menino, David, é convertido por um milagre e reza a Deus por ajuda. King retrata a sua fé sem ironia e com reverência.

“Desespero”, porém, contém uma descrição incomum de Deus que revela um pouco de teologia pesada de King, vários pastores dizem. Durante o clímax sangrento da história, um personagem diz ao menino que Deus é “cruel”. Essa linha chamou a atenção de Zahl, o padre Episcopal. Ele diz que isso se chamaria de “soberania responsável de Deus.”

Zahl diz King está representando um lado de Deus que é tecida na Bíblia. Não é o Deus cujo olho está no pardal, mas o Santo incompreensível, outro, o que permitiu que Jó sofrer. É o mesmo lado de Deus, que o narrador em “The Green Mile” reflete quando ele recorda  a morte do inocente John Coffey, a figura de Cristo, que nunca fez mal a ninguém, mas que pereceu.

Pontos Zahl para esta passagem de “The Green Mile”: “No entanto, este mesmo Deus sacrificado John Coffey, que tentou apenas fazer o bem em seu caminho cego, como um profeta do Velho Testamento que nunca sacrificou um cordeiro indefeso …. Se isso acontecer, se Deus permite que isso aconteça, perguntamos, “Eu não entendo”, Deus responde: “Eu não me importo.”

Zahl diz que King pode dizer coisas sobre Deus em livros que os pastores não podem dizer na igreja. Nos romances de King, as pessoas muitas vezes sofrem de fazer o bem. “Os americanos geralmente querem ouvir que tudo é realmente fantástico o tempo todo”, diz Zahl. “Os americanos querem controlar e gerenciar tudo, e eles estão ansiosos para qualquer coisa. Quando você pregar uma mensagem da Bíblia que a vida é muito mais difícil, e há uma enorme quantidade de sofrimento, essas mensagens nem sempre vão cair bem. “Deus escolheu as coisas fracas”

Quando adolescente, King costumava colecionar recortes de jornais que detalhavam os crimes de serial killers, diz Stanley Wiater, co-autor de “The Complete Stephen King Universe: Um Guia para os Mundos de Stephen King . ” Sua mãe  ficou tão preocupado que um dia ela lhe perguntou por que ele ele fazia isso. Wiater diz o rei respondeu com: “Eu acho que há mal lá fora, eu quero saber o que é, então quando ela vem, eu posso reconhecê-lo e sair do caminho.”

Nos livros de King, os personagens não podem evitar o mal. Eles têm de enfrentá-lo, mas que muitas vezes não se encaixam na definição convencional de heróis. Em a “Dança da Morte”, outro romance explicitamente cristão, ilustra esse padrão. Uma praga dizimou a humanidade, e um grupo de sobreviventes desarmados são enviados através de uma visão de Deus para enfrentar uma figura satânica chamada o Homem Escuro. O grupo parece não ter nenhuma chance. Entre eles estão um professor, um surdo-mudo, e uma terceira figura é um homem com a capacidade mental de uma criança. Contra eles: o exército implacável Darkman, que literalmente crucificado seus inimigos. A composição do grupo ressalta outro tema religioso na obra de King que se reflete nesta linha a partir do apóstolo Paulo no primeiro livro de Coríntios: “Deus escolheu as coisas fracas do mundo para envergonhar as fortes.”

Zahl, o pastor Episcopal, diz muitos heróis nos livros de King são pessoas quebradas: fisicamente frágeis, alcoólicos, deficientes e solitários. Mesmo as pessoas más são renderizados com compaixão. “King entende a graça em um nível profundo”, diz Zahl, autor de “Grace in Practice” Ele normalmente se concentra nos marginalizados e nos forasteiros que acabam por levar a melhor. Deus muitas vezes faz o seu trabalho nas pessoas mais confusas.”

King pode ter convertido Zahl, mas o padre e outros admitem que há um risco invocando o romancista de terror nas igrejas. Quando Zahl menciona King na igreja, ele diz que a primeira coisa que os ouvintes pensam seriam que aqueles livros devem ser mantidos longes dos adolescentes. Ainda assim, existem convertidos secretos.

“Metade das outras pessoas na congregação leram Stephen King, embora possam não gritar para o mundo”, diz ele. “Eles sabem do que estou falando. Eles vêm até mais tarde e eles dizem que estão realmente felizes que eu saiba sobre ele.” Os céticos não devem estar surpresos que as histórias de King contem temas religiosos, diz Rawbone, o romancista de terror Inglês e autor de “Bunker”.

A Bíblia está cheia de terror: os demônios, fantasmas, inundações acabando com a humanidade e a ascensão dos mortos.  “Horror Bom examina a luta entre o bem e o mal”, diz ele. “A Bíblia é a história dessa luta. “A Bíblia é, em muitos aspectos, o romance de horror final.”

Fonte: http://www.10news.com

Lana Francielle

Lana Francielle

Lana Francielle, fã de Stephen King desde a adolescência, começou a colecionar livros do Mestre desde 2002. Atualmente reside em Anápolis/GO e administra a comunidade Mundo Stephen King.

More Posts - Twitter - Facebook

You can skip to the end and leave a response. Pinging is currently not allowed.

8 Responses to “Sermões de Pastor tem como referência obras de Stephen King.”

  1. RafaeL' disse:

    “O Confronto”, citado no início do texto,seria A Dança da Morte.

  2. Lana Francielle lanafsipe disse:

    Corrigido. Obrigada!

  3. Leon Nunes disse:

    Eu acho que é uma forma de este pastor pegar carona no sucesso permanente de King. De repente ele estava um pouco fora do holofote religioso e fez isso na tentativa de chamar a tenção tão-somente. Para King é bom, de qualquer forma. O importate é vender seus livros. Não importa para quem. Não importa se o vivente o considera pura ficção ou uma releitura da Bíblia.
    Para mim é bobagem. Mas respeito a opinião das pessoas.

    Abraços
    Leon Nunes, Escritor

  4. José de Almeida disse:

    O Stephen King tá cada vez mais a cara da Erundina!

  5. Lana Francielle lanafsipe disse:

    Aí você está declarando que não gosta dele. hehehe

  6. Bem, não sei se esse pastor pegou carona na fama de Kung , mas o que ele falou é uma realidade. Falar sobre tragédia é muito difícil! Quem sofreu alguma pode dizer isso na integra… Eu não estou dizendo que amo o sofrimento, mas sim que não o ignoro, o sofrimento existe, e muitas vezes tem sido ignorado por muitos cristãos que não conhece a vida de outras pessoas ai pelo mundo. As vezes queremos historias cheias de “flores” mas em muitas historias não há somente as flores e sim os espinhos e até as podas estão presentes na vida de muitos por ai… E a única coisa que posso dizer é que admiro muito essas pessoas! Essas pessoas realmente sabe como a cruz funciona…Como duz a letra de um padre:”Só quem já provou a dor, Quem sofreu, se amargurou, Viu a cruz e a vida em tons reais”…

  7. Desculpem! eu escrevi o nome dele errado…

  8. Edilton Nunes Edilton Nunes disse:

    Concordo Enia. Nem acho que ele pegou carona na fama. Acho que ele contextualizou muito bem seus sermões, se “aproveitando” de algo que as pessoas gostam e com que se familiarizam para fazer com que fiquem mais interessantes. Foi uma ótima jogada da parte dele rs.

Deixe seu comentário